Virando Gringa

10 coisas que mudam para sempre quando você vive em outro país

Chegar a um país desconhecido para estudar, trabalhar ou, quem sabe, viver para sempre, é um desafio do qual ninguém escapa ileso. Uma experiência dessas pode mudar sua forma de estar e de ver o mundo para sempre. É uma viagem física e mental sem bilhete de retorno. E, apesar de este ser um testemunho pessoal, existem algumas coisas que são inevitáveis e que acontecem com (quase) todo mundo que já deixou o conforto e segurança da sua cidade em busca de uma aventura, de um aprendizado, de um trabalho ou, simplesmente, de um novo dia a dia. Texto de João Diogo Correia, com pequenas modificações.

1. Você vai ficar viciado na adrenalina da partida

Qualquer viagem implica em sentir adrenalina, mas a ideia de arrumar a vida numa mala e ter de se virar sozinho em outra parte do mundo chega a arrepiar. É um arrepio bom que, da segunda ou terceira vez, vira vício.

Viajar está hoje bem mais fácil, com opções simples e baratas de alojamento, com transportes cada vez melhores, indicações e pontos turísticos a cada esquina, fronteiras geralmente mais abertas e pessoas mais acostumadas aos mochileiros de plantão. Por isso é que ter uma vida de estudo ou trabalho num outro país ganha um gosto especial. Ter de ir na mercearia da esquina, cuja proprietária não fala outra língua que não a de origem (isso quando não fala dialeto!), e tentar pedir cebolas, ou alhos, ou courgettes, e fazer um passeio mental pelo seu novo vocabulário é um desafio e tanto. E quando o tempo passar e você deixar de sentir isso, a vontade de partir vai atacar de novo. A gente se sente criança reaprendendo a viver.

2. Você vai perceber que existem mais pessoas boas que pessoas más (e só vai lembrar das primeiras)

Quando alguém que você nunca tinha visto antes te dá uma carona numa cidade desconhecida e te oferece um quarto para dormir caso não tenha onde ficar, ou a casa dele toda, a primeira reação é de desconfiança. E é nestes momentos que elas mais dão sinal de vida.

Mas quando tudo acontece, quando você compartilha uma cerveja com a pessoa que acabou de conhecer, quando ela realmente vai dormir no escritório para que você durma no quarto, e quando acorda no outro dia de sorriso no rosto perguntando se dormiu bem, você vai sentir vergonha de ter pensado em trancar a porta durante a noite. E perceber que o perigo existe, sim, mas que a bondade está tão espalhada pelo mundo que nem é notícia (ou então, que os noticiários poderiam ser bem mais alegres do que são).

3. Sua cidade fica menor

Ainda que a globalização tenha aproximado povos muito diferentes, o mundo ainda é um lugar rico e culturalmente diverso. Por mais que todo mundo tenha acesso aos mesmos produtos, o Mc Donalds esteja em todo lugar, e a Coca também, ainda há muito por descobrir, desde lugares que você só achava possível existir em filmes à pessoas com quem você cria uma relação mais forte do que com seus próprios familiares!
É essa descoberta que vai fazer do lugar onde você vive um pequeno apartamento, onde as janelas que em tempos davam para o mundo lá fora parecem agora paredes que aprisionam essa vontade de ver além.
E sim, vai te dar pânico a ideia de ficar anos fazendo o mesmo percurso todos os dias, olhando a mesma paisagem, cumprimentando o mesmo motorista do ônibus de sempre e sorrindo para aquela velhinha do banco do lado, como quem sussurra: “mais um dia”.

4. Você vai passar a gostar ainda mais do seu país

Parece contraditório, mas por mais que você sinta vontade de mudar e goste da experiência em outros países, haverá sempre alguma coisa em que o seu é imbatível. E é possível que você nunca tivesse reparado nela. Pode ser um prato de comida específico de uma região do país, pode ser a luz do fim de tarde na cidade ou a vista de um mirante. Vai sempre chegar aquela hora em que a palavra “saudade” fica dançando na sua mente.
E essa é mais uma das vantagens de deixar o país por um tempo – te fazer ver que voltar pode ser tão bom quanto partir.

5. Os padrões te abandonam

Viver em outro país, mesmo que com uma cultura semelhante, vai inevitavelmente te colocar perante situações consideradas “anormais” para os seus padrões. Mas aí está um aprendizado – ser ou agir de forma “normal” não existe. A própria definição de normal se perde.
Aprender isto significa também olhar mais para dentro e conhecer melhor a nossa própria personalidade. Só esbarrando nos nossos padrões somos capazes de separar aquilo em que realmente acreditamos daquilo que nos foi imposto. E abre nossa liberdade de escolha para mudar nós mesmos e o mundo ao nosso redor.

6. O tempo livre ganha outra dimensão

Quantas vezes você não deixou passar um fim de semana na sua cidade e pensou – “eu podia ter aproveitado melhor”. Quantas vezes preferiu ficar no sofá de casa depois do trabalho ao invés de tomar um café numa praça e ouvir o burburinho das pessoas jogando conversa fora?
Quando você vive no exterior, cada segundo é descoberta e o seu sensor de alerta está constantemente ligado. Ele não te deixa cair na preguiça e te obriga a abrir a porta de casa e ver o que o dia tem reservado. E é sempre algo novo. Você vai programar cada fim de semana como se não houvesse mais nenhum e torná-lo bem mais inesquecível do que aquele filme de domingo à tarde na TV.
Isso vai dar aquela sensação de “vivi a vida”, “tenho muito o que contar para os meus futuros netinhos”.

7. Você vai mudar sua ideia de internet

A internet tem muitas vantagens óbvias, mas a maior delas não é permitir ler jornais sem pagar um centavo ou falar com amigos frequentemente – o melhor da internet é não te deixar realmente longe dos que mais ama. Faltam os abraços, faltam os beijos, falta o toque, e isso é insubstituível, mas não ter de esperar dias e dias por uma carta que não sabemos se vai chegar é uma das melhores coisas que a tecnologia nos trouxe. Para quem nunca viveu outra era, parece uma coisa banal, mas serviços como o Skype ou, simplesmente, a caixa de e-mail deixaram as estadas fora do país bem mais gostosas.

8. Você deixa de ser de um só lugar

A pergunta “de onde você é?” vai dar um nó na sua mente. Eu, por exemplo, sou brasileira, de Piracicaba, onde nasci, da cidade onde meus pais nasceram e onde meus avós passaram a infância, mas também sou da dos canais de Amsterdam, sou daquela praça maluca no Marrocos onde jantamos comidas curiosas, sou daquele bar onde todas as quintas-feiras à noite me sentia em casa em Wageningen, sou de Bennekom e sempre serei.
Mas não sou de um lugar, sou uma irrepetível combinação de lugares e situações.
E quando essa combinação acaba e fica pra trás, não adianta voltar aos lugares. As saudades vão ficar no mesmo ponto em que as deixou.

9. A sua vida material até pode caber numa mala, mas o resto não cabe em lugar nenhum

E aí, como é que foi?”. Essa é mais uma das perguntas clássicas que seus amigos, familiares e conhecidos podem vir a fazer depois de você ter passado um tempo fora. E isso vai te deixar bloqueado. Não é que te faltem as palavras – elas te sobram. E não cabem em nenhuma conversa de uma hora.

10. Você se torna mais livre

A vida dá muitas voltas e, por mais que achemos que as grandes complicações só acontecem aos outros, elas podem nos escolher. Por isso, uma pessoa que conseguiu se virar sozinha num lugar estranho, num mundo novo, com uma língua desconhecida e pessoas nunca antes vistas, é necessariamente uma pessoa mais livre. Ela não depende de mais ninguém. E o mundo é um pouco mais dela.

Thanks for installing the Bottom of every post plugin by Corey Salzano. Contact me if you need custom WordPress plugins or website design.

Related Posts

6 comentários sobre “10 coisas que mudam para sempre quando você vive em outro país

  1. Anônimo

    Parabéns. Adorei o blog. As dicas super válidas para mim que estarei em breve fazendo a minha primeira viagem internacional. EUA ou Noruega.
    Acompanharei para sempre seu blog.

  2. Pablo

    Juliana,
    muito obrigado por todas as dicas.
    Vou para Boston (US) daqui a 1 mês, e ler o seu site, com tantas dicas e tanto reconhecimento de causa, me deixa tão mais animado e confiante.
    E é exatamente isto que eu tô precisando: de confiança. Não é nada fácil deixar amigos e família para trás, ainda que por 1 ano… até então. A ideia de que a vida, aqui, vai continuar e eu não vou participar é um tanto quanto frustrante. Eu fico um pouco assustado, mas eu consigo, cada vez mais, reconhecer o quanto “estar fora” pode significar para mim.
    É a oportunidade de ressignificar a vida, de voltar com algumas respostas, mas com certeza com muito mais dúvidas. É algo tão humano e belo, e o seu site tem estimulado essa ideia em mim.
    Obrigado e continue, por favor!

    1. admin Autor da Postagem

      Cara, fiquei emocionada de ler seu comentário.
      Que ótimo que você está gostando da leitura, me motiva ainda mais a escrever!
      Viagem é muito mais que “fotinha” bonita pra mostrar pros outros, é isso também, mas a maior viagem é no interior de nós mesmos, se re-descobrindo… Uma viagem longa como morar um ano fora de casa e longe de tudo e todos é acima de tudo crescimento pessoal, você vai ver, voltará outra pessoa!
      abraço e obrigada pelo seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CURTA!