Mochileiros e mapas: um caso de amor e ódio

Esse post foi a conclusão de longos minutos de ócio olhando para uma árvore em frente à minha casa. Por isso vale compartilhar.
Ao mesmo tempo que o mochileiro precisa do mapa, ele não quer precisar.
Ás vezes, nós (viajantes) queremos explorar uma cidade, de uma forma totalmente despretensiosa. Vagando, descobrindo as coisas aleatoriamente. Encontrando aquele restaurantezinho barato, numa viela, com a melhor comida que nós já provamos nos últimos tempos. E que ninguém mais vai conseguir achar de novo. E a gente gosta dessa exclusividade.
O mochileiro vaga pelas cidades, procurando essas experiências únicas, que podem ser contadas e re-contadas, mas nunca re-vividas.
Mesmo que você repita um destino, vá a algum lugar de novo, a experiência vai ser outra, você já vai ser outro.
O mapa deixa tudo em 2D. Colocar as coisas num plano faz parecer que é tudo simples, calculado, que nada é coincidência. Está tudo ali, é só seguir o roteiro.
É por isso que, às vezes, o mochileiro odeia o mapa.
Por outro lado, quando o mochileiro chega pela primeira vez em terras distantes, o mapa é uma puta  grande ajuda!
Muitas vezes, para poder chegar até aquele lugarzinho especial, o viajante tem que estar seguro o suficiente, andando por lugares conhecidos.
O que eu quero dizer é que, muita gente, para se dar a liberdade de sair do caminho típico, tem que ter o caminho bem definido, tem que saber pra onde voltar, antes de se perder.
Aí é que entra o mapa.
Quando nós saímos daquela viela, depois da melhor refeição dos últimos tempos, é bem útil dar de cara com a maior igreja da cidade, e se guiar até o seu albergue. Mas não é sempre que isso acontece.
Então, melhor aceitar que nosso amigo de papel está ali para ajudar, não pra tirar o nosso gostinho de aventura.
Mas, hey, use o mapa com moderação.
Afinal, “aquela vez que estávamos perdidos” é uma frase que inicia a maioria das melhores histórias.
=================================================
Descontos para seguidores:
➜ Desconto de até R$ 179 no AirBNB
Primeira viagem de graça pelo Buser
➜ Desconto de USD 10 na anuidade da Worldpackers
➜ Desconto em Seguro viagem
➜ Reserve ingressos para qualquer atração na Europa e fuja das filas
➜ Chip de viagem internacional para ficar conectado em qualquer lugar do mundo

Precisa de hospedagem barata em qualquer lugar do mundo?
Reserve por Aqui e ajude o blog sem pagar nada a mais por isso!
E que tal visitar museus pela Europa sem fila?
Reserve com o TicketBar Aqui e ajude o blog sem pagar nada a mais por isso!


Quer saber tudo e mais um pouco sobre veneza?
Compre o e-book! Aqui e ajude o blog sem pagar nada a mais por isso!


Tradutora, redatora e mochileira, trabalho de qualquer lugar desde 2018. Mostro que é possível fazer intercâmbio e mochilão sem precisar gastar demais. Até agora, visitei 23 países, morei na Holanda, na Alemanha, na China. Fiz 5 intercâmbios - 3 com bolsa de estudos e outros trabalhando ou como voluntária - fiz voluntariado no Brasil e na Europa, mochilão pela Europa, e agora estou no Brasil, último destino: Peru.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

virandogringa