O Virando Gringa devia ter começado quando eu fiz intercâmbio pela primeira vez, lá em 2011! Mas eu sempre fui muito preguiçosa pra escrita, essa é a verdade hahah

Além do mais, eu tava mais preocupada em aproveitar a viagem do que em escrever sobre ela. Eu tinha que viver as coisas da maneira mais intensa que eu conseguia porque era a primeira vez que saía do Brasil. Mais ainda, era a primeira vez que morava longe dos meus pais. Imagina isso?

Por*a Juliana, saiu de casa aos 21 anos?

É isso aí galere, sempre fui menina de sítio. Cresci no sul do Tocantins, meu pai agrônomo trabalhando em fazenda, minha mãe bancária de são paulo. Minha infância foi curtindo o meio do mato (graças a deusa, não é mesmo?), então tem vezes que falo com uns amigos e eles contam sobre tal desenho animado que passava quando eles tinham 5, 6 anos…e eu sei só os básicos hahah Tava mais ocupada em comer plantas desconhecidas enquanto minha mãe enlouquecia tentando saber se era venenoso ou não, se eu ia me intoxicar ou não, “o que tenho que dar pra essa menina pra ela não morrer meu deus?!”, num tempo sem google, sem smartphone, sem nenhum tipo de celular. O negócio era ligar pros parentes em são paulo e tentar algo. Ou olhar na Barsa! hahah É gente, a vida mudou muito desde os anos 90.

Da mesma forma que a gente se choca pensando como era a vida nos anos 90, pra mim foi um choque imenso ver como é a vida na Holanda em relação ao Brasil. Morar no exterior foi uma mudança drástica nos meus padrões e pensamentos. Eu percebi que o mundo é bem menor do que parecia antes. Essa impressão nunca mais desapareceu. Saí do Brasil pela primeira vez por meio de um intercâmbio de trabalho numa empresa holandesa. Eu fiz engenharia florestal, então fui trabalhar com plantinhas <3 Fui em 2011, morei por alguns meses numa cidade chamada Sint-Oedenrode, no sul da Holanda. Voltei em 2012 pro Brasil. Conto tudo aqui no blog sobre esse intercâmbio. E digo mais, tem intercâmbio de trabalho pra humanas, pra saúde, pra agrárias, pra várias áreas do conhecimento!

Ainda em 2012, queria continuar explorando todo meu potencial como estudante de graduação. Queria mesmo aproveitar o enorme privilégio de estar estudando na USP porque tinha noção de que não é todo mundo que pode fazer isso no Brasil. Eu sei o quanto é foda querer falar inglês fluentemente, querer fazer um intercâmbio de estudos, querer pegar uma bolsa. É por isso que faço o blog hoje. Mas nessa época nem pensava nisso. Só pensava em passar nas matérias e estudar 24 horas por dia hahah

De 2012 até 2013 fiquei estudando na Wageningen University, mais pro centro-norte da Holanda, na cidade desse mesmo nome aí de cima :). Foi bem massa o tempo na Universidade porque aprendi que dá pra ensinar de formas bem diferentes do que as experiências que tive no Brasil.  E olha que eu tava numa faculdade reconhecida. Como eu quero ter carreira acadêmica, ou algo próximo disso, por exemplo trabalhar num bom instituto de pesquisa, eu presto atenção nos métodos pedagógicos e acho isso muito interessante 🙂

Passei o ano novo de 2013 pra 2014 no sítio da avó de um amigo belga que estudou comigo na Wageningen, no meio dos alpes franceses. Ali onde é meio Suiça, meio França, meio Áustria. Nunca sonharia nos meus sonhos mais bonitos que um dia eu ia conseguir fazer isso.

Tentaram me fazer esquiar.

 

 

 

 

 

 

 

 

Não funcionou.

 

Passei um mês na Áustria na casa de uma família. E depois um mês na França da mesma forma, só que uma fazenda. No blog tem conteúdo sobre WWOOFing e Couchsurfing, que se relacionam com esse período.

Quando esse intercâmbio acabou, voltei pro Brasil pra poder continuar estudando normalmente e cumprindo as matérias da faculdade no tempo certo. No começo de 2014 peguei uma matéria em São Paulo sobre Empreendedorismo. Precisava ir toda semana pra São Paulo, porque as aulas práticas eram de sábado. Claro que eu queria fazer, além disso a matéria era um processo seletivo disfarçado pra selecionar alunos pra ir pra Alemanha com uma bolsa de estudos!

No final da disciplina fizemos um negócio que parecia Escape60! Aquele desafio de resolver um problema em grupo com tempo contado, algumas coisas em mãos e uma situação inusitada. No meu caso estávamos na Lua e tínhamos algumas coisas numa mala e o oxigênio ia acabar. Enfim você já sabe onde quero chegar…espero.

Depois disso então finalmente morei na Alemanha por um tempinho também. Consegui uma bolsa chamada Bolsa USP Empreendedorismo. E sabe como? Procurando bolsas de estudos junto com o pessoal que conheci na Holanda, porque todo mundo queria competir por mais e mais. Lá participei de uma competição de plano de negócios e depois fiz estágio de pesquisa com um doutorando que estava escrevendo sobre Mercado de Carbono. Pra quem não é da área de Meio ambiente, esse assunto é sobre desmatamento e conservação de florestas em pé, basicamente (resumindo pra caramba).

No segundo semestre de 2014, fui pra China ainda, por uma bolsa chamada Top China, oferecida pelo programa Santander Universidades. É, do banco mesmo. Pra mim o país mais difícil de escrever é a China, definitivamente, porque é MUITO oposto do que eu tô acostumada. Definitivamente, minha especialidade como produtora de conteúdo é Europa. Mesmo assim, aproveitei bastante as capitais Pequim e Shanghai, que já dão muito pano pra manga…

Em 2015 voltei de tudo isso e comecei a pensa em escrever sobre as experiência que eu tive, depois que me formei. Fiquei um tempão meio sem saber o que fazer e, claro, trabalhando em outras coisas hahah

Em 2016 fiz uma palestra no SESC Campinas sobre minha experiência com viagens baratas e bolsas de estudo. Foi pequena, numa salinha pra 40 pessoas e com um público um pouco menor do que isso. Mesmo assim foi muito legal!!! Eu estava muito nervosa por falar em público assim sobre minha vida pela primeira vez. Acho que deu certo, pois em 2017 consegui fazer isso de novo haha Fechamos 2 datas diferentes, cada uma pra falar de um assunto.

Uma das palestras se chamou: “Viajando o Mundo Gastando Pouco” e a outra chamada “Como Conseguir uma Bolsa de Estudos no Exterior” as duas com um público um pouquinho maior do que a primeira vez hehe

O blog segue desde então. Estou aprendendo sobre as tecnicalidades aos poucos, mas tentando sempre deixar cada dia melhor pra quem lê! O desafio é constante, mas o que espero de resultado é que mais gente tenha a chance de conhecer o mundo mesmo sem dinheiro.

Pra mim só importa se as pessoas conseguirem usar as dicas, então feedback é extremamente bem-vindo. Juntos somos melhores.

Precisa de hospedagem barata em qualquer lugar do mundo?
Reserve por Aqui e ajude o blog sem pagar nada a mais por isso!
E que tal visitar museus pela Europa sem fila?
Reserve com o TicketBar Aqui e ajude o blog sem pagar nada a mais por isso!


Quer saber tudo e mais um pouco sobre veneza?
Compre o e-book! Aqui e ajude o blog sem pagar nada a mais por isso!


Sou tradutora e criadora de conteúdo, nômade digital. Gosto de falar de viagem barata, mochilão, dicas de intercâmbio alternativo e sou uma caçadora incessante de bolsas de estudo. Em 29 anos de vida, fiz 4 intercâmbios, conheço 23 países (por enquanto), e já morei em: Holanda, Alemanha e China. Vem compartilhar aventuras de viagem por esse mundão! :)

2 thoughts on “Sobre – Blog Virando Gringa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *